Please reload

“Jogos, quadrinhos, canecas e uma toalha, por favor” – O que sua empresa precisa saber sobre o mercado que mais consome nesta e nas próximas gerações...

1/3
Please reload

Destaque

“Onde dróides e clones encontram seus pares” – O que sua empresa precisa saber sobre o mercado que mais consome nesta e nas próximas gerações Pt.4

 Que o consumidor geek adora qualquer item com teor colecionável e gasta a maior parte de seu dinheiro no consumo de serviços você já sabe (e se ainda não sabe, volte duas casas e entenda nos artigos anteriores desta série!), mas aonde é que esse consumidor vai para encontrar seus produtos e marcas favoritas?

 

 Neste artigo iremos entender um pouco sobre os principais ambientes de consumo do consumidor geek, especialmente quando falando de produtos tangíveis ou experiências.

 

 Grande varejo

 

  O grande varejo está de olho no consumidor geek e não é de hoje!

 Muitas das maiores marcas do varejo nacional já vem percebendo o crescimento do consumo em itens de categorias antes chamadas de "nicho" com expressivo aumento nas vendas durante todo o ano, não apenas em eventos sazonais como o "Dia do Orgulho Nerd", Natal e outros.

 

 Em 2012, São Paulo viu a então pequena loja com o curioso nome Geek.etc ser inaugurada no Conjunto Nacional, mesmo edifício que abriga a maior loja da rede de livrarias Cultura na Av. Paulista. Não obstante, a pequena loja era um "anexo" da própria livraria para atender exclusivamente o público interessado em quadrinhos e jogos.

 

 Apenas 5 anos depois, a lojinha precisou de mais espaço e se mudou, ainda no mesmo prédio comercial, para um ambiente 3 vezes maior, antes dedicado a produtos das duas maiores editoras de literatura do país, a Companhia das Letras e a Objetiva, mostrando como o consumo geek já vem superando até mesmo mercados mais tradicionais e estabelecidos dentro da categoria de entretenimento.

 

 Contando com melhores condições na compra de estoques maiores e normalmente com maior alcance geográfico devido suas redes de filiais, os grandes varejistas oferecem ao consumidor geek itens com preços competitivos e muitas promoções ao longo de todo o ano.

 

 

Varejo especializado

 

 Que São Paulo sempre teve um polo geek escondido bem próximo ao marco zero da cidade, ali no bairro da Liberdade, popularmente (e erroneamente) conhecido como "bairro japonês", todo geek já sabe.

 

 Mas não apenas de paulistas vive esse mercado e a prova disso é que as lojas especializadas em produtos geeks tem surgido em todas as demais capitais do país, como a Nerdz em Porto Alegre e a Pop Mega Store, que inaugurou ponto físico no Amazonas Shopping, na região Norte do país.

 

 Diferentemente dos grandes varejistas, o varejo especializado muitas vezes não conta com estoques grandes de seu mix de produtos ou grande competitividade em preços dos itens mais comuns do mercado, mas compensam isso com um atendimento especializado, normalmente feito pelos próprios donos da marca que costumam ser tão ou mais fãs dos universos encontrados nos produtos que comercializam do que os próprios consumidores, fazendo com que se tornem pontos de referência para aquisição não apenas de produtos para esse consumidor, mas também fontes de conhecimento e troca de experiências.

 

 

 Lojas virtuais especializadas

 

 De forma muito similar ao varejo especializado, as lojas virtuais especializadas no segmento geek oferecem a facilidade de se encontrar produtos únicos de cada um dos universos desejados pelo consumidor sem precisarem sair de suas casas!

 

 O crescimento do consumo em lojas virtuais e da confiança do consumidor só tem favorecido que cada vez mais micro empresários invistam nesse segmento, onde o que importa mais do que grandes promoções e estoque é o conhecimento sobre os gostos de um público extremamente exigente com suas coleções e hobbies.

 

 Muitas lojas virtuais especializadas começaram como um hobby ou complemento de renda de profissionais que atuavam em mercados mais convencionais e que, rapidamente, cresceram para atender centenas de pedidos por semana, como as marcas Geeksiistore, fundada por duas profissionais do mercado de moda feminina ou a Quarto Geek, fundada com um capital social de apenas R$100 (isso mesmo, cem reais)!

 

 

 Restaurantes temáticos

 

 E como não só de ficção e pixels vive um geek, muitos empreendedores do setor gastronômico aproveitaram suas paixões pela cozinha e pelos universos fantásticos para oferecerem ao público geek e geral ambientes recheados de referências aos mundos dos quadrinhos, jogos e cinema, muitas vezes até mesmo nos nomes de seus pratos mais populares, como o sanduíche V de Vegano do Gibi Cultura Geek ou a Poção de Mana da Taverna Medieval.

 

 Espalhados pelo Brasil, mas obviamente concentrados em São Paulo, os restaurantes com temáticas orientadas ao público geek tem se tornado cada vez mais comuns oferecendo refeições curiosas com temas cada vez mais populares através da mídia e que muitas vezes oferecem experiências diferentes para seus clientes, como sessões de arco e flecha, jogos de video game na fila de espera ou bandas ao vivo tocando grandes hits do cinema e games.

 

 

 Jogos de escape

 

 Geeks gostam de enigmas e desafios para a mente como ninguém e é justamente pensando nisso que as chamadas Salas de Jogos de Escape tem faturado criando ambientes temáticos em grandes casas ou edifícios onde grupos de jogadores são desafiados a "fugirem" de suas salas passando por diversos enigmas e desafios que ficam mais difíceis a cada novo ambiente ou de acordo com o número de participantes.

 

 Numa mistura de jogos de enigmas, experiência de imersão e até uma pitadinha inocentes de Jogos Mortais (série de filmes de suspense onde as vítimas de um sociopata precisam passar por provações violentas para escaparem com vida de seus cativeiros), a invenção japonesa, que rapidamente se espalhou pelo mundo, dos jogos de escape tem chamado a atenção do público geral por oferecerem uma experiência lúdica diferente de tudo que os jogos de mesa ou eletrônicos podem oferecer a preços muitas vezes similares ao de grandes salas de cinema, com a vantagem de se poder participar com amigos ou desconhecidos em atividades que exercitam a capacidade intelectual e criativa, muitas vezes usadas como artifício anti-estresse.

 

 Hoje já são dezenas de casas com diversos temas de jogos de escape espalhadas pelo Brasil, com verdadeiras comunidades de participantes se criando ao redor do hobby, muitas vezes competindo entre times formados dentro de empresas ou universidades para ver quem escapa de mais salas ou com os melhores resultados (em tempo ou pontos).

 

 Eventos Geeks

 

 Por fim, mas de nenhuma forma menos importante, talvez bem pelo contrário, estão os eventos, o principal ponto de consumo do público geek de qualquer faixa etária e condição econômica.

 

 Antigamente relegados a pátios de colégios ou estacionamentos de grandes centros de convenção, os eventos geeks hoje já enchem alguns dos principais salões de eventos do Brasil, registrando públicos nas casas dos centenas de milhares e crescendo a cada edição, normalmente anual ou semestral.

 

 Sejam dirigidos a um nicho específico, como a JediCon para fãs de Star Wars, ou à cultura pop em geral, como a Comic Con Experience (CCXP), os eventos são as melhores oportunidades para consumidores descobrirem fornecedores e marcas que se comunicam com seus desejos de consumo, gerando faturamentos de vendas milionários para os expositores bem posicionados em ambientes recheados de atividades e atrações para o consumidor geek, sempre ávido por novidades e entretenimento.

 

 Algumas marcas chegam até mesmo a se especializar no atendimento de seu público apenas em eventos, investindo na presença de sua marca nos principais eventos geeks do país ao invés de se firmarem numa praça única, optando por atender seus clientes apenas através de e-commerce ao longo do ano.

 

 

 Um universo de oportunidades

 

 Se você passou por toda esta série de artigos sobre o consumidor geek já deve ter entendido que falamos não mais de um "nicho" de mercado, mas de um perfil de consumidor que já tem se tornado um dos principais impulsionadores da economia desta e da próxima geração ao passo em que as gerações X e Y vem assumindo maior poder econômico e social.

 

 Obviamente, com um universo tão vasto de possibilidades, esta série não teria como abordar todos os negócios que despertam interesse destes consumidores, mas sem dúvida sua empresa já pode entender o território em que pretendem pisar com maior segurança.

 

 Em suma, o consumidor geek investe grande parte de seu dinheiro em bens e serviços relacionados ao entretenimento e personalização. Investem tempo em ambientes que refletem seus gostos por cultura pop e seus hobbies e tendem a ser mais leais às marcas que o consumidor comum.

 

 Para compreender mais sobre o mercado geek (ou nerd, se você ainda insiste) e como sua marca pode se relacionar com este público, inscreva-se no blog e receba novidades antes do resto do mercado!

 

 

 

  Bruno Ibarra

 

 O autor deste artigo já decorou as prateleiras de sua loja favorita e computa mais de 100km percorridos somente dentro de eventos geeks nos últimos 15 anos. É pesquisador de cultura e tradições japonesas em colaboração com a Meiji University e consultor de Marketing da Universo Expandido, auxiliando empresas a se relacionarem com o público geek entre uma Jedicon e uma promoção da Let's Collect.

 

Compartilhar
Compartilhar
Compartilhar
Curtir
Please reload

Please reload

Recentes
SIGA-nos
TAGS